Família

Pós-parto: a difícil missão da mulher em conciliar seus diferentes papeis na família após a maternidade

Pós-parto: a difícil missão da mulher em conciliar seus diferentes papeis na família após a maternidade

No Brasil, 1 em cada 4 mulheres tem os sintomas de depressão pós-parto. Psicóloga e coach de mães alerta para a importância, sobretudo para a saúde, do renascimento da mulher após a maternidade.
Dizem que quando nasce um bebê, nasce uma mãe. A máxima é muito utilizada para aconselhar e tranquilizar as mamães de primeira viagem sobre os receios e incertezas que permeiam o universo materno.
Acontece que em muitos casos, quando nasce uma mãe, perde-se a mulher, a filha, a profissional… É muito comum que a mulher tenha dificuldade em conciliar todos os seus diferentes papéis na sociedade, sobretudo, na sua família, após a chegada dos filhos, causando uma série de impactos negativos na sua saúde física e mental.
Os números no Brasil são, no mínimo, alarmantes: 1 em cada 4 mulheres sofrem de depressão pós-parto. Uma pesquisa realizada pela Escola Nacional de Saúde Pública, da Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz – entrevistou 23.896 mulheres entre 6 e 18 meses após o parto, e mostrou que mais de uma em cada quatro brasileiras apresenta sintomas de depressão pós-parto.
São sintomas físicos e psicológicos que devem ser acompanhados de perto por profissionais durante e após a gestação.
A psicóloga e coach de mães Bianca Amorim comenta a importância de se manter atento, informado e consciente sobre as dificuldades da mulher em se reencontrar após a maternidade e conciliar seus diferentes papéis.
“A perda da individualidade e da sua própria identidade após a maternidade estão dentre as causas da depressão pós-parto. É preciso apoiar essa mãe para que ela consiga se reencontrar e pouco a pouco volte a desempenhar seus demais papéis sociais, além do papel de mãe.”, pontua a psicóloga.

Foto: 50plusser.nl